Malta: Desfrute-me!

08-

Nunca soube ao certo, se eu escolhi Malta ou se Malta que me escolheu para viver por 2 meses num intercâmbio de Inglês.

Muito mais que uma experiência foi um chamado da vida como diz Martha Medeiros “chamado que é atendido por aqueles que tem coragem de partir e mais coragem ainda de chegar. De Chegar neles mesmos..”

Numa simplicidade exuberante e despretensiosa está Malta. Uma pequena Ilha no Mediterrâneo que nos abraça logo na chegada e continua nos abraçando enquanto rendidos aos seus encantos, nos trazendo uma curiosa sensação de que nenhum mal irá nos acontecer e emanando silenciosamente o seguinte recado: “desfrute-me”.

Assim é a República de Malta, um arquipélago de cinco pequenas ilhas, formando um dos menores países da Europa que agiganta-se em sua riqueza cultura, história, belezas naturais e um mundo de descobertas capaz de mudar o seu dia, ou a sua vida.

01-

Saint Julian’s

A tranquilidade da rotina de Malta é digna de uma trilha sonora, onde vários ritmos são permitidos, a escolha é sua. Siga seus instintos, que pode ser uma caminhada pelo calçadão de Saint Julian’s até Sliema ao lado do infinito azul do mar ou entregar-se, sem nada nos seus pensamentos, a um pick nick sob o sol do Mediterrâneo.  A Escolha continua, como, desfrutar dos charmosos restaurantes com pratos típicos, acompanhados aos vinhos nacionais Malteses, ou quem sabe, optar pela cerveja local orgulhosamente produzida na ilha de Gozo. Sim, Existe lugar reservado para uma agitada vida noturna em Paceville.

02-

Saint Julian’s

 

03-

Pick Nick na tarde de Mellieha Bay

O idioma oficial é o Maltês, uma língua estruturada num mix de  árabe siciliano, preservada e só possível de ser falada pelos malteses. A segunda língua cooficial é o inglês, herança da sua ultima colonização britânica, que herdou entre outras coisas a “mão inglesa” onde o motorista conduz no lado direito, por isso aos distraídos, cuidado ao atravessar a rua, é tudo invertido.

É possível percorrer toda Malta usando ônibus urbano  incluindo os principais pontos turísticos. Junto aos pontos estão os mapas indicando o percurso de cada linha, assim como os horários que podem se aproximar do real, mas nunca estão ali no horário determinado. Domingo ainda fica mais difícil, pela visível redução de ônibus na rua. O valor é único para um dia, paga-se só uma vez e a cada troca de ônibus, basta mostrar o ticket para aquele dia (1,5 euros).  É preciso estar atento, troca-se de distrito com muita rapidez, pois são pequenos se assemelhando aos nossos Bairros. As placas na ruas muitas vezes estão indicadas no bom e velho idioma Maltês.

Aventuras e surpresas, nem sempre vão chegando de mansinho em Malta, afinal é um país habitado a cerca de 5.200 a.c., marcado por magníficos templos pré históricos,  por personagens bíblicos, por Reis e Rainhas, um enorme legado na história da humanidade e muitas tradições.

04-

Tradição: celebração do domingo de Páscoa nas ruas.

Ainda pela Ilha de Malta. Valletta é a capital, dentro de suas muralhas está uma das maiores concentração de história do mundo, lá estão também as melhores lojas e muitos restaurantes interessantes escondidos. As ruas devem ser percorridas a pé e com uma boa câmera fotográfica na mão é fácil se perder caso esteja acompanhado no passeio, a culpa não será sua, e sim dos palácios, museus e igrejas magníficas. Como a imperdível  Catedral de São João (St. John’s Co-Cathedral), que abriga também o  Museu do Caravaggio, uma festa garantida para os olhos.

05-

The Grand Harbour – Valletta

06-

Pelas ruas de Valleta

07-

O restaurante da foto a cima é uma das pérolas escondidas em Valleta, nele não existe cardápio, ali o seu desejo é comandado, o garçom checa na cozinha se tem os ingredientes e é só esperar um prato bem preparado pelo simpático proprietário do lugar, enquanto espera, toma-se um vinho, obviamente escolhido pelo desejo, já que não existe uma carta de vinhos e sim a sua vontade. Tudo isso numa relação bem honesta de custo x benefício.

Sliema e St. Julian’s, São os principais centro de Turismo na Ilha de Malta, com diversos hotéis, restaurantes, bares e um ótimo comercio local. O limite entre Sliema e St. Julian’s pela costa é quase imperceptível, apesar de cada uma ter sua característica própria. Em Sliema é possível contemplar um dos mais conhecidos postais da ilha é também possível fazer uma travessia de balsa  até Valletta. Uma travessia que seria simples, se não fosse todo aquele visual espetacular.

08-

Principal cartão postal em Sliema

 

09-

Doce Saint Julian’s

Marsaxlokk, que o nome tem de complicado, o lugar tem de simplicidade.  Pequeno e pitoresco Porto de Marsaxlokk é onde ficam ancorados os tradicionais barcos coloridos dos pescadores locais, protegidos  pelo conhecido “olhos de Osiris” um símbolo original dos Fenícios usados como proteção contra os perigos do mar. Ali acontece todo domingo sua tradicional feira, um programa que se torna divertido pela variedades de produtos oferecidos além mercado de peixe e por seus inúmeros restaurantes de fruto do Mar.

10-

Olhos de Osiris

11-

Barcos ancorados no Porto de Marsaxlokk

Blue Grotto e Dingli Cliffs, brincam com nossos sentidos, invadem a nossa visão num espetáculo de 5 km de penhascos a 250 m do mar. Lugar para não pensar, só sentir.  Um rápido passeio de barco e nos leva a diversas grutas navegando pelo mar azul do Mediterrâneo. Muitos pescadores, descobriram ser mais lucrativo levar turistas para passear próximo as grutas a pescar. Conta-se que durante a segunda guerra, quando soava os alarmes, várias pessoas se abrigavam com seus barcos nestas cavernas onde acreditavam estar seguros.

IMG_5581

Blue Grotto. Interessante reparar na proporção dos barcos.

 

13-

Simpática Ilha de Fifla

Do alto penhasco, é possível avistar Fifla, uma das 5 ilhas do arquipélago da República Maltesa, ela não é habitável e mal pode ser vista no mapa, mesmo assim tem muitas histórias para contar, desde de bombardeios, invasões a terremotos. Hoje uma reserva natural de pássaros.

14-

Dingli Cliffs

 

E sobre Malta? Ainda há muito a escrever, próximo post sobre as Ilhas de Gozo e Comino.

 

Sou Cristine Teixeira, Arquiteta e natural do Rio de Janeiro.